20 de janeiro de 2021

Tendências em Gestão Financeira para 2021

Confira o resumo do que foi o ano de 2020 com foco em gestão financeira e as previsões de possíveis cenários para o ano que se inicia.

Não é nenhuma surpresa quando digo que 2020 foi um ano de incertezas. O próprio Gestão da Crise, o portal no qual sou mantenedor, não foi planejado em 2019, e sim no início da pandemia. 

A segunda quinzena de março foi um marco no Brasil. As empresas começaram a perceber que a situação ia além de uma “gripezinha” e que algo incerto estava acontecendo, algo que teria o desdobramento de uma crise. E foi isso que aconteceu.

Um pânico geral se instalou no fim de março/começo de abril, vide as cotações da bolsa e o cenário foi mais agressivo para os que não estavam com a gestão financeira em dia e bem planejada. Em junho, possivelmente, foi o mês em que começamos a entender o rumo que as coisas estavam tomando, entender a tendência.

Já no início do segundo semestre até o momento, alguns setores conseguiram bater recordes de faturamento e vendas. Por exemplo, nunca se vendeu tantos móveis como agora. O mercado imobiliário também está aquecido. Com o auxílio monetário de R$600,00 do governo, mais as medidas econômicas, surtindo efeito positivo, muitos setores sofreram com a falta de matéria-prima. 

Gestão financeira: o fator decisivo

Na Conversa com Executivos, realizada pelo Gestão da Crise, foram trocadas reflexões relevantes sobre os desafios no pós pandemia e você pode acessá-la clicando aqui.  Temos alguns segmentos que ainda estão em crise, sem uma perspectiva de melhora, como é o caso do setor de viagens e entretenimento como um todo. 

Como dito anteriormente, 2020 foi um ano de muita incerteza e somente os que estavam preparados em 2019 e já haviam feito o “dever de casa” em gestão financeira, conseguiram passar o ano. Aqueles que já não estavam fazendo, sofreram muito, ainda estão sofrendo muito ou até mesmo chegaram a fechar as portas.

Gestão financeira: fator decisivo

Possíveis cenários econômicos para 2021

Já discutido previamente em nossos artigos, temos que trabalhar com pelo menos quatro cenários para uma gestão financeira de qualidade. São eles:

Cenário V: Uma recuperação rápida da economia, com uma queda muito grande no começo mas uma rápida retomada de negócios;

Cenário U: Talvez tenhamos que nos preparar para um cenário em onda U, onde a recuperação será um pouco mais lenta, levando um tempo para os negócios retomarem a uma certa normalidade;

Cenário W: Com uma visão mais pessimista e conservadora, o cenário W é  repleto de oscilações.  Com a vacina já começando a ser aplicada e contribuindo para um novo ânimo no mercado, vem a segunda onda de Coronavírus e a incerteza da administração da vacina;

Cenário I: A projeção mais pessimista de todas, onde a economia cai e não retorna. Esse, por pior que possa ser, também deve constar ao elaborar a gestão financeira.

Como se preparar para esses diferentes cenários?

É possível que trabalhar com orçamento e gestão financeira nunca tenha sido tão fundamental como está sendo atualmente. De nada adianta estar preparado para apenas um cenário, e sim para diversos, com estratégias estabelecidas para cada um.

Se a perspectiva é de retomar a economia em 2021 e ter um excelente ano, qual será a estratégia de investimento a ser utilizada?  E a de contratação? A de marketing? Todas essas questões desdobradas em inúmeros cenários.

A chave é trabalhar com o “e se”, trabalhar com as possibilidades. E se não der certo? E se não acontecer? Portanto, ter um plano estratégico com ações claras para esses cenários é fundamental. Assim, terei uma gestão pró-ativa, e não uma reativa, que acontece somente depois. Já estará preparado com antecedência para qualquer cenário que possa acontecer. 

>> Acesse também: EBITDAC: Como o mundo pode ser diferente pós pandemia.

Equipe Value

O fim do auxílio emergencial

Infelizmente, não há indicativos de repetição do auxílio emergencial do governo, comprometendo o ponto de vista fiscal. Mas quais são os cenários possíveis de acontecer? O auxílio do governo pode ser dividido em duas áreas

A primeira é a que anda com as próprias pernas e não depende dele, como é o caso do agronegócio. A perspectiva para este setor continua sendo muito positiva, com uma atuação muito forte. E, por ser independente, deve prosseguir muito bem. 

O setor da construção civil conta com a questão da taxa de juros estar bem reduzida, e por não compensar deixar o dinheiro parado, as pessoas têm investido mais na construção civil. E, consequentemente, fomenta toda uma cadeia.

Já a segunda área é dos setores que podem ser bem impactados por estarem diretamente ligados ao auxílio emergencial. Como é o caso do setor de bens de consumo, o de indústria e o de alimentos. Principalmente os que atendem públicos de classe C e D.

Gestão financeira é com a Value

Entendeu a importância de uma boa gestão financeira e que ela pode ser decisiva no sucesso ou fracasso do seu negócio? Com a Value, você estará preparado para enfrentar qualquer adversidade em 2021, graças às nossas projeções de múltiplos cenários. Vamos conversar?

Compartilhe

Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit
Digg
Telegram
WhatsApp
Programa Treinee
Click or drag a file to this area to upload.
Click or drag a file to this area to upload.
Trabalhe Conosco
Click or drag a file to this area to upload.
Click or drag a file to this area to upload.

Quer encontrar o investidor perfeito para o seu negócio?